sábado, 24 de abril de 2010

Pavilhão de Xangai feito de caixas de CDs que não foram vendidos!!

Há uns tempos atrás, Guy Hands, o director executivo da empresa de fundos de investimento Terra Firma e patrão da EMI, confidenciou que mais de um milhão de cópias do álbum Rudebox de Robbie Williams que nunca chegaram a ser vendidas seriam enviadas para a China para serem destruídas e usadas para pavimentação das estradas e iluminação das ruas.




Pois bem, parece mesmo que a China é o armazém de CDs descartados do mundo. Os arquitectos do Atelier Feichang Jianzhu tiveram a ideia de usar tubos de plástico feitos de caixas de CDs usadas na construção do Pavilhão Empresarial de Xangai, um dos ex-libris da Exposição Mundial de Xangai de 2010.

Segundo o Arch Daily (via Inhabitat), a estrutura exterior do Pavilhão é composta de tubos de plástico reciclados feitos de policarbonato transparente . No final da exposição, estes tubos poderão ser novamente reciclados. Acopladas à estrutura exterior do edifício estarão também luzes LED multicoloridas que serão controladas por computador para alterar a aparência em poucos segundas apenas através da manipulação de um programa informático.




O artigo não informa sobre a proveniência destas caixas de CDs mas é provável que tenham mesmo origem em Xangai. Isto porque a cidade produz por ano cerca de 30 milhões de CDs que acabam por não serem vendidos, sendo que apenas 25 por cento destes são reclamados pelos fabricantes de forma a serem reciclados. Ora aqui está uma forma interessante de reutilizar aquilo que é puro desperdício (suporte físico para música que ninguém quer ouvir) e transformá-lo num verdadeiro objecto artístico capaz de encantar multidões.

Site: http://remixtures.com/2009/09/pavilho-de-xangai-feito-de-caixas-de-cds-que-no-foram-vendidos/

SIMPLESMENTE FANTÁSTICO!!

Arquitetos criam casa feita inteira em vidro.

Os móveis também são feitos de vidro; desafio é usufruir de todo o ambiente.
Os arquitetos Carlo Santambrogio e Ennio Arosio criaram o conceito de uma habitação feita inteiramente em vidro. Ao contrário de algumas iniciativas semelhantes, no projeto dos italianos escadas e móveis também são feitos em vidro. Com uma técnica que se baseia na sobreposição de múltiplas camadas de vidro, os arquitetos conseguiram garantir ao projeto durabilidade e resistência. Deste modo, existe a possibilidade de criar maiores estruturas utilizando essa matéria-prima em particular.
Os arquitetos atualmente trabalham na construção de dois expoentes do conceito: a Casa nas Colinas e Casa dos Bosques. A Casa nas Colinas será construída na costa oeste da Irlanda, perto de Clifden, e funcionará como uma espécie de showroom para eventos de arquitetura; as obras devem se iniciar em meados de 2010. A Casa dos Bosques está em construção na Suíça, perto de San Moritz; a obra começou no final de 2009 e deve continuar até o meio deste ano. Os líderes do projeto dizem que há compradores interessados em obterem suas próprias casas de vidro.
As casas são resultado de projeto de 2004 da empresa Santambrogiomilano, fundada por Carlo Santombrogio, em que o empresário desenvolvia mesas de vidro junto com o designer Ennio Arosio e uma equipe de mais dez pessoas. O empreendimento é especializado no design e arquitetura que utiliza vidro como matéria-prima.
Fonte: Pequenas Empreas Grades Negócios

quarta-feira, 14 de abril de 2010