terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Treinando no Sketchup!

Modelo da casa 1.
Fiz uma planta humanizada bem básica no Corel Draw.

A partir disso fiz a maquete eletrônica com o programa Sketchup.

Ficou bem simples, na verdade preciso treinar mais meu render só que meu pc não suporta tanto.

Mais uma perspectiva da casa sem imagem de nuvens no fundo, só o céu azul claro.

Estas imagens são de um trabalho que fiz para um engenheiro com quem já estagiei e que me pediu de última hora fazer a humanização de 3 casas (acima é uma das casas) e também me pediu para fazer a maquete eletrônica. A maquete seria de modo que teria a perspectivas dos três tipos de casa (as fotos acima são de uma delas) sendo que a quarta imagem da maquete seria pegar um modelo dessas casas, fazer várias delas, uma do lado da outra, que mostre uma rua. Assim ficaria 3 plantas humanizadas, mais as 3 imagens dos 3 tipos de casas que o engenheiro escolher, e assim uma outra imagem mostrando várias casas com um pouco do entorno.
O restante das imagens das casa vou postar mais na frente quando fechar o negócio. 

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Álvaro Siza e suas obras!


EL_CROQUIS_68_69_95-Alvaro.Siza.pdf

Revista espanhola com todas as obras de Álvaro Siza, contendo imagens, croquis e plantas.



Alvaro_Siza_e_Eduardo_Souto_de_Moura.pdf

Tudo sobre o Pavilhão de Portugal, desde quando foi organizado e as idéias e soluções adotadas para chegar a obra final.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Duarte Construtora e Incorporadora.

Para aqueles que precisam de serviços de:


•Projetos;

•Empreitadas;

•Obras civis;

•Sanitários: residencial e comercial.
 
A Duarte Construtora e Incorporadora é uma empresa de obras que há mais de 6 anos está no mercado com qualidade e eficiência, e vem atuando em projetos e construção em geral, prestando diversos tipos de serviços.
Esta empresa trabalha sempre com materiais de primeira linha, eficiência, preços e formas de pagamentos acessíveis, prestando serviços de qualidade, atendendo às expectativas dos clientes, colaborando sempre para o seu bem-estar. Devido a essas vantagens, se faz um orçamento personalizado com grandes vantagens para as pessoas que queiram ser clientes da empresa.

 Residencial Ilhas Gregas.

Portanto eu recomendo para todos que se interessam em contratar engenheiros civis com muita experiência e qualidade a se tornarem clientes dessa empresa. Para mais informações entrem no site: http://www.duarteconstrutora.com.br/  e conheça os trabalhos realizados.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Palestra de Iluminação!




Palestra de Iluminação da ABD (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DESIGNERS DE INTERIORES) ocorrerá amanhã, dia 27 de Outubro de 2010, em Goiânia, às 19:00 hrs no Senac (endereço:  Avenida Independência, nº 1002, Setor Leste Vila Nova , próximo à praça da Bíblia - Auditório: Pavimento Térreo).

As vagas são limitadas e a inscrição é gratuita. 
Para maiores informações ou contato através do telefone: (62) 3587-1563 ou pelo site: http://www.abd.org.br/.
Site para inscrição: http://www.ricardobotelhoweb.com.br/email/abd/convite/inscricao/inscricao.asp?Codigo=&Evento=inscricao_go_20101027

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

SEMANA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PUC GOIÁS - 19 A 22 DE OUTUBRO DE 2010!

Amanhã terá o início à 7ª Semana de Ciência e Tecnologia na Pontifícia Universidade Católica de Goiás (antiga UCG), aonde serão realizadas palestras, atividades e apresentações tendo como principal tema desse ano a Ciência para o Desenvolvimento Sustentável, focando assuntos sobre a preservação da biodiversidade como patrimônio ambiental e cultural.

O evento terá início ás 09:00 hs e irá até às 19:00 hrs nos dias 19 a 22 de outubro.

A Programação do evento está disponível no formato pdf no seguinte site: http://www.pucgoias.edu.br/ucg/eventos/semana_ciencia_tecnologia/inscricao/inicio.asp

Demais informações no site da PUC:

ou telefones para contato na imagem abaixo:


sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Edifícios altos - World Trade Center.

AU 100 inaugura a seção Estruturas, espaço para a análise da estrutura de obras que se destaquem por sua complexidade ou engenhosidade, sob a batuta do Prof. Dr. Geraldo Serra, coordenador científico do Nutau/USP (Núcleo de Pesquisa em Tecnologia da Arquitetura e Urbanismo)
Geraldo Serra

 Two Union Square, em Seattle: tem como principais apoios quatro tubos de aço preenchidos com concreto com módulo de elasticidade de 50 GPa


Desde os eventos de 11 de setembro do ano de 2001, em Nova York, por razões absolutamente lamentáveis e óbvias, os edifícios muito altos (very tall buildings) estão sob questionamento severo. Não cabe discutir aqui (e muito menos tomar partido!) no debate sobre a racionalidade desse tipo de edifício, que se centra sempre na questão das vantagens e desvantagens da concentração supostamente excessiva de área construída, de pessoas e de demanda por serviços públicos em porções relativamente pequenas do território da cidade. Ao que tudo indica, a decisão de construir um edifício de mais de 60 andares tem pouco a ver com razões estritamente econômicas ou empresariais, e muito com as questões simbólicas e do poder. Estas parecem já ter sido as razões da construção das torres de San Giminiano, ainda na Idade Média (a pequena cidade italiana é, inclusive, conhecida como a Manhattan medieval). Portanto, é muito provável que continuemos a construir torres, apesar da tragédia nova-iorquina.

Poucos dias após a destruição do World Trade Center, o jornalista Howard Kurtz, do Washington Post, perguntava: "O ataque da última semana em Nova York fez mais do que derrubar um dos mais altos edifícios da cidade? Alterou o futuro da paisagem urbana em incontáveis outras cidades? Sobreviverá a sua utilidade? Alguém ainda vai querer trabalhar neles? Serão eles, um dia, vistos como relíquias de uma outra era, como os edifícios cheios de decoração Art Déco das décadas de 30 e 40 ou como os malfadados e maciços projetos habitacionais dos anos de 1960?" De outro lado, a BBC News afirmava que "ambos os aviões penetraram no núcleo interno dos edifícios, despejando combustível e fogo no coração das estruturas. Se existisse lá mais concreto resistente ao fogo (sic) e menos aço, muitos outros ocupantes dos edifícios poderiam ter sido evacuados antes de qualquer colapso".

Tony Lang, no The Cincinnati Enquirer, apresenta duas opiniões diferentes sobre o futuro dos arranha-céus. Cesar Pelli diz que "a única maneira de demonstrarmos nossa força seria construir duas torres de tamanho similar". Já Peter Eisenman discorda, dizendo que "reconstruir o WTC como era seria mostrar nostalgia por um mundo que não existe mais".

Sem pretender responder a todas essas questões, vamos considerar a seguir alguns problemas estruturais desses edifícios.

As causas do colapso

Na revista norte-americana Architectural Record de dezembro de 2001, John E. Czarnecki relata o estado do debate sobre o colapso dos edifícios do WTC. São discutidas questões relativas à forma como se deu a ruína e até porque os edifícios não ruíram imediatamente, uma vez que o esforço lateral foi de cerca de 9 mil toneladas, destruindo imediatamente cerca de 35 das 59 colunas externas existentes em cada lado do edifício.

Como já noticiado, as vigas sob os pisos próximos do impacto foram as primeiras a ceder, em conseqüência da ação do calor, em função da perda de rebites e soldas com as colunas exteriores e com o núcleo central do edifício, empilhando os pisos um sobre os outros e determinando o colapso. De fato a resistência do aço reduz-se muito aos 500ºC e em muitos pontos a temperatura da estrutura chegou, em poucos segundos, a mais de 1.000ºC. Evidentemente, a estrutura estava coberta de material protetor, porém o impacto destruiu também essa proteção. O núcleo central do edifício, que arcava com mais de 60% da carga, foi o primeiro a ruir, como se pôde observar nos vídeos. Os especialistas americanos estão considerando que as colunas externas apresentavam maior rigidez, o que fez com que suportassem mais tempo, como se formassem uma viga Vierendeel, mas é necessário considerar que a temperatura no centro do edifício subiu mais e mais rapidamente.

Oscilação excessiva

Robert Mark destaca o problema da oscilação excessiva dos edifícios muito altos em decorrência da ação do vento e relata os graves problemas do John Hancock Tower, que I.M. Pei, certamente um dos mais notáveis arquitetos do século XX, construiu em Boston. Esse edifício, que tem apenas 60 pavimentos, é muito esbelto, lembrando uma grande placa espelhada refletindo todo o seu entorno. Relata Mark que, em 1971, com o edifício ainda no final da obra, os vidros começaram a quebrar em proporção tal que no verão de 1973 "quase um quarto do vidro já tinha sido perdido". A inauguração do edifício teve que ser adiada por mais de três anos para permitir a introdução de correções estruturais que evitassem as torções da estrutura e a excessiva oscilação durante as ventanias. A estrutura metálica do edifício apresenta oscilações que não implicam, em princípio, qualquer ameaça de ruína. Os problemas são de dois tipos: danos em outros componentes da construção, como envidraçamento e mesmo divisões internas e, de outro lado, desconforto dos usuários dos últimos andares, que percebem perfeitamente essas oscilações. Afirma-se que o topo do Empire State chega a balançar cerca de 60 cm, nos ventos mais fortes e, por algum tempo, chegou-se a admitir que esse problema parecia constituir-se em um limite para o crescimento das torres.

Contrabalançando

A solução encontrada para reduzir as oscilações dos edifícios muito altos com estruturas metálicas foi a inserção de uma máquina que introduz uma oscilação inversa àquela provocada pelo vento. Essa máquina precisa apoiar-se em um bloco de concreto com massa muito grande, em posição adequada no edifício, o qual fornecia a inércia necessária. A máquina é comandada por um computador que interpreta informações de sensores e comanda a contra-oscilação de forma a fazer que "cristas" de ondas provocadas oponham-se aos "vales" da oscilação provocada pelo vento, e vice-versa. O edifício Citycorp, em Nova York, é dotado de um equipamento como esse com um contrapeso de cerca de 400 t. Informa-se que o contrapeso do World Trade Center tinha cerca de 600 t.

Essa solução realmente reduz de maneira drástica as oscilações experimentadas pelo edifício submetido a fortes rajadas de vento. Um oscilômetro mostra, em modelo testado em túnel de vento, a oscilação antes e depois de ligado o equipamento. Os óbvios inconvenientes estão ligados à colocação de uma massa tão grande em um andar muito alto, implicando carregamentos significativos sobre a estrutura do edifício.

Reforçando

Pode-se também reforçar a estrutura metálica implicando, entretanto, pesados ônus no orçamento, a ponto de inviabilizar a solução. Por isso, nos reforços, tem sido adotado o concreto de alto desempenho, pelo menos nas colunas do edifício. Pierre-Claude Aïtcin, em seu livro Concreto de Alto Desempenho, Pini, apresenta a evolução da altura dos edifícios com estruturas de concreto desde 1959 até 1989.

Essas estruturas foram executadas com concretos de alto desempenho com resistências próximas dos 100 MPa. A vantagem óbvia é que essas estruturas dispensam o uso de máquinas e contrapesos para redução da sua oscilação, em decorrência do módulo de elasticidade mais elevado do concreto empregado.

Estruturas compósitas

Outra solução é a das estruturas compostas de peças de concreto e peças de aço. Alguns técnicos consideram estas as estruturas do futuro. Um dos primeiros exemplos de edifícios muito altos com estrutura composta é o Two Union Square, em Seattle, que tem como principais apoios quatro grandes tubos de aço preenchidos com concreto com módulo de elasticidade de 50 GPa, que é cerca do dobro daquele do concreto usual. O mais moderno exemplo do emprego de uma estrutura compósita são as Petronas Towers, com 451,9 metros de altura, em Kuala Lampur, na Malásia.

A estrutura das Petronas Towers é formada por uma coroa de 16 colunas externas e um núcleo central onde se situam os elevadores, escadas, sanitários e dutos verticais diversos. A relação entre a área útil e a área total desse esquema é superior a 75%.

Esses elementos verticais foram executados com concreto de alto desempenho, produzido com aditivos superplastificantes para reduzir a relação água/cimento, e adições de sílica ativa e de cinza volante, quer para tornar a microestrutura do concreto mais compacta, quer para reduzir o calor de hidratação e, portanto, a microfissuração. O uso do concreto de alto desempenho nos elementos verticais permitiu reduzir a oscilação da torre, decorrente das rajadas de vento, à metade do que ocorreria se esses elementos fossem de aço. Além disso, vigas de concreto se estendem do núcleo central para a periferia, contribuindo, também, para o contraventamento.

Entretanto, é importante considerar a forma geral do edifício como uma contribuição importante para a redução dos efeitos do vento em pelo menos dois aspectos. O primeiro é a planta, aproximadamente circular, que reduz o "arrasto". O segundo é a diminuição do diâmetro da planta nos andares superiores, o que reduz a área de exposição da parte superior da torre, onde a velocidade do vento é maior.

Sustentabilidade dos edifícios muito altos

A sustentabilidade de uma determinada técnica de construção ou de uma tipologia arquitetônica refere-se à possibilidade da sua repetição indefinida, usando recursos renováveis ou, quando isso não é possível, recursos esgotáveis em ritmo tal que nos dê tempo para desenvolvermos alternativas tecnológicas. Ora, nesse sentido, não parece que estejamos muito limitados, nem do ponto de vista do minério de ferro, nem do ponto de vista do calcário ou da sílica. Também não parece ser o caso quanto ao uso do espaço, pois parece evidente que, quanto mais alto for o edifício, menor será a quantidade de espaço ocupado na cidade. A área construída de cada Petrona Tower é de mais de 20 ha, o que implicaria ocupar uma área de cerca de 20 ha a 40 ha com edifícios de três ou quatro pavimentos, uma vez que deveriam ser acrescentados os recuos, áreas "non edificandi" e as áreas das vias públicas.

Do ponto de vista energético, é difícil afirmar-se que um edifício muito alto gaste mais energia do que a correspondente área construída, distribuída em uma área urbana muito maior. De fato, os deslocamentos entre edificações distribuídas em uma área muito maior e a iluminação pública das vias têm de ser considerados antes de qualquer afirmação precipitada sobre a ineficiência dos edifícios muito altos.

Todavia, as limitações quanto à segurança são muito grandes, uma vez que a população do edifício corresponde a uma cidade de porte médio, com problemas de segurança muito maiores, mesmo quando se exclua o terrorismo.

Não por acaso, Trump acaba de abandonar o projeto de construir um edifício em Chicago, que deveria superar a altura das Petronas Towers. Um dos investidores no projeto alega que, além de ser um alvo para ataques terroristas, os edifícios muito altos são muito ineficientes, isto é, têm baixa sustentabilidade.

Mas, ao mesmo tempo, os chineses prosseguem com a idéia de construir a mais alta torre do mundo em Shangai. Kiyoshi Yoshikawa, da Mori Building Company, responsável pelo projeto, diz que "está muito claro que nós vamos reforçar a estrutura do edifício. Nós vamos melhorar a sua segurança". Isso tudo acontece numa cidade que, há pouco mais de um ano, inaugurou a Jinmao Tower, com 420,5 metros de altura.

FONTE: http://www.revistaau.com.br/arquitetura-urbanismo/100/imprime23779.asp

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Exposição Fotográfica do professor Bráulio - Goiânia Veracidade

Amanhã, Quinta feira, dia 07 de outubro no Palácio da Cultura. Praça Universitária. haverá a exposição fotográfica que  ficará aberta até o dia 01 de novembro.Para quem já prestigiou outras exposições, haverá mais 10 novas fotos.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Papeliê na Ambientar 2010!!


A mostra 2010 da Ambientar 2010 conta com a exposição de mais de 40 ambientes que unem estilo, funcionalidade e bom gosto. Várias empresas e escritórios de profissionais se juntam para expor seus talentos e um deles é a Papeliê, uma empresa que conta com equipe interdisciplinar , formada por designers, arquitetas e administradoras para fazer festas infantis usando o papel como material básico e a técnica de scrapbook para incrementar as criações.
Seu tema ambiente (número 20) para a exposição é a sorveteria e espaço para festas infantis. Vocês devem conferir pessoalmente para ver o talendo desses profissionais. Eu simplesmente amei!
Se tiverem interesse e curiosidade, visitem o site da Papeliê : http://www.papelie.com.br/ ou o blog da arquiteta Aline Santos: http://papelie.blogspot.com/.

domingo, 19 de setembro de 2010

AMBIENTAR 2010!

Mostra Ambientar 2010, de 3 de setembro a 1º de outubro. De 15h às 21h no Bambuí Empreendimentos.


Data: 3 de setembro a 1º de outubro. De terça a domingo.

Hora: Das 15h às 21h.

Local: Central de Decorados Consciente Construtora / Bambuí Empreendimentos (Av. T-9 esquina com T-30 – Setor Bueno).

Atrações

■Mostra de arquitetura e decoração.


■Exemplos de ambientes.


■Exibição de filmes.


■Shows.


Programação de Shows

Dia 07/09 (terça-feira)

Claudia Vieira


Dia 08/09 (quarta-feira)

Lafayette e os Tremendões


Dia 14/09 (terça-feira)

Grace Carvalho tocando clássicos do samba


Dia 15/09 (terça-feira)

Discotecagem com Miranda (ex-jurado do Ídolos, do programa Qual é seu talento?)


Dia 21/09 (terça-feira)

Juraildes da Cruz


Dia 22/09 (quarta-feira)

The Dead Rock tocando clássicos do faroeste


Dia 28/09 (terça-feira)

Pedra 70


Dia 29/09 (quarta-feira)

Flávio Guimarães (Blues Etílicos) e Abluesados


Dia 1º/10 (sexta-feira)

Discotecagem com Marcelle Vaz e Maurício Mota


Dia 2/10 (sábado)

Discotagem com Marcelle Vaz, Maurício Mota e Pablo Kossa

Exposição

Nesta edição do evento, a Central de Decorados Consciente/Bambuí Empreendimentos, na Avenida T-9, vai ser cenário de grandes produções da área de decoração, paisagismo e design de interiores inspirados na magia do cinema … E a mistura promete agradar a gregos e troianos, com um cast que inclui mais de 60 profissionais especializadíssimos no ofício.

Ingresso

2 quilos de alimentos não perecíveis ou R$ 12,00


*Toda renda será destinada a entidades sociais.

Outras Informações

Telefones: (62) 3097-1406 / 8103-5737.


Classificação: Livre.

Valores dos ingressos sujeitos à alteração sem aviso prévio.
 
FONTE: http://goiania.deboa.com/cultural/ambientar-2010.html

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Maquete eletrônica da Câmara Municipal de Guarinus (agora sem uma das rampas).

Fachada em perspectiva de uma das entradas principais.
Outra perspectiva mostrando a retirada de uma das rampas.
Fachada principal da câmara municipal.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Maquete eletrônica da Câmara Municipal de Guarinus (Goiás).

Fachada em perspectiva da entrada principal.
Perspectiva da fachada da entrada para portadores de necessidades especiais.
Fachada frontal da Câmara Municipal.

sábado, 26 de junho de 2010

ÚLTIMO EXERCÍCIO DE INFORMÁTICA APLICADA - MAQUETE ELETRÔNICA NO SKETCHUP COM V-RAY

INTERIOR DA SALA DE JANTAR

 
VISTA DO INTERIOR DO QUARTO DE CASAL

VISTA DO QUARTO DE CASAL COM LUZ FRACA

ÚLTIMO EXERCÍCIO DE INFORMÁTICA APLICADA - MAQUETE ELETRÔNICA NO AUTOCAD


VISTA INTERIOR DA SALA
VISTA INTERIOR DA COZINHA.


VISTA EXTERIOR DA FACHADA DA CASA.

Depois de enfrentar longas e atarefadas semanas da faculdade, finalmente o último exercício entregue às pressas nesta sexta-feira para encerrar de vez o 5º período da faculdade. Claro que, devido a falta de tempo, a maquete não ficou lá grandes coisas, poderia ter sido bem melhor e mais caprichado, mas não havia outra maneira, era entregar ou repetir a matéria (risos). Agora posso treinar nas férias para que minhas maquetes eletrônica melhorem cada vez mais.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Câmara dos Deputados inaugura exposição sobre construção de Brasília.

Mostra reúne plantas originais feitas por Oscar Niemeyer para o edifício do Congresso Nacional, fotos e projetos de todas as sedes do Poder Legislativo no Brasil e peças de mobília e artes decorativas do Palácio Tiradentes.



A Câmara dos Deputados inaugurou no dia 26 de maio a exposição "Brasília, a ideia de uma capital: a legislação e o debate parlamentar, de 1549 a 2010". Realizada em parceria com a Faap (Fundação Armando Álvares Penteado), a mostra apresenta o processo histórico de escolha e consolidação da capital brasileira e destaca a importância do parlamento na discussão e na elaboração de propostas sobre o tema.


A exposição se divide em três períodos: colônia ao império; proclamação da república à construção de Brasília, e a nova capital. São documentos, objetos, desenhos, maquetes e projetos que traçam um arco de mais de 450 anos até a sede do País ser transferida da costa para o interior.

Entre as peças, estão as cinco plantas originais do edifício do Congresso Nacional de autoria de Oscar Niemeyer; as peças de mobília e artes decorativas do Palácio Tiradentes; e um filme mudo datado de 1926, registro da inauguração do mesmo edifício.

O visitante também poderá conhecer, por meio de desenhos, maquetes, plantas e fotografias, as diferentes sedes do Poder Legislativo, como a Cadeia Velha, a Casa do Conde de Arcos, o Palácio Boa Vista, o Palácio Monroe, a Biblioteca Nacional e o Palácio Tiradentes até a sede atual do Congresso.

A curadoria da exposição é de Casimiro Neto, Danilo Matoso Macedo, José Ricardo Oriá e José Theodoro Mascarenhas Menck.



Serviço:

Exposição "Brasília, a ideia de uma capital: a legislação e o debate parlamentar, de 1549 a 2010"

Data: de 26 de maio a 22 de agosto

Horário: das 9h às 17h

Local: Salão Negro do Congresso Nacional

Visitas guiadas: agendar pelo telefone (61) 3274-6325

SITE: http://www.piniweb.com.br/construcao/arquitetura/camara-dos-deputados-inaugura-exposicao-sobre-construcao-de-brasilia-175305-1.asp

terça-feira, 25 de maio de 2010

Joseph Ford projeta um prédio inspirado no Playstation 3 e outro no Nintendo DS

Os fãs dos dois consoles ficariam com o queixo no chão se pudessem em algum momento se deparar com um desses prédios pelo centro de alguma grande metrópole. Mas eles só estão no papel, e não existe qualquer financiamento para eles, e talvez não passe disso. O que vale é o brilhantismo e o trabalho de Joseph Ford ao homenagear os dois consoles preferidos dele, com essas duas incríveis fotos. Confira!





Fonte: http://www.gamevicio.com.br/i/noticias/45/45592-joseph-ford-projeta-um-predio-inspirado-no-playstation-3-e-outro-no-nintendo-ds/index.html

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Palestra!

Convite recebido da Arquitetura da UFG para aula Inaugural. Além de contar pontuação como atividade complementar para os alunos, trata-se do prof. Canal, engenheiro da obra do museu Iberê Camargo, do Álvaro Siza.

sábado, 24 de abril de 2010

Pavilhão de Xangai feito de caixas de CDs que não foram vendidos!!

Há uns tempos atrás, Guy Hands, o director executivo da empresa de fundos de investimento Terra Firma e patrão da EMI, confidenciou que mais de um milhão de cópias do álbum Rudebox de Robbie Williams que nunca chegaram a ser vendidas seriam enviadas para a China para serem destruídas e usadas para pavimentação das estradas e iluminação das ruas.




Pois bem, parece mesmo que a China é o armazém de CDs descartados do mundo. Os arquitectos do Atelier Feichang Jianzhu tiveram a ideia de usar tubos de plástico feitos de caixas de CDs usadas na construção do Pavilhão Empresarial de Xangai, um dos ex-libris da Exposição Mundial de Xangai de 2010.

Segundo o Arch Daily (via Inhabitat), a estrutura exterior do Pavilhão é composta de tubos de plástico reciclados feitos de policarbonato transparente . No final da exposição, estes tubos poderão ser novamente reciclados. Acopladas à estrutura exterior do edifício estarão também luzes LED multicoloridas que serão controladas por computador para alterar a aparência em poucos segundas apenas através da manipulação de um programa informático.




O artigo não informa sobre a proveniência destas caixas de CDs mas é provável que tenham mesmo origem em Xangai. Isto porque a cidade produz por ano cerca de 30 milhões de CDs que acabam por não serem vendidos, sendo que apenas 25 por cento destes são reclamados pelos fabricantes de forma a serem reciclados. Ora aqui está uma forma interessante de reutilizar aquilo que é puro desperdício (suporte físico para música que ninguém quer ouvir) e transformá-lo num verdadeiro objecto artístico capaz de encantar multidões.

Site: http://remixtures.com/2009/09/pavilho-de-xangai-feito-de-caixas-de-cds-que-no-foram-vendidos/

SIMPLESMENTE FANTÁSTICO!!

Arquitetos criam casa feita inteira em vidro.

Os móveis também são feitos de vidro; desafio é usufruir de todo o ambiente.
Os arquitetos Carlo Santambrogio e Ennio Arosio criaram o conceito de uma habitação feita inteiramente em vidro. Ao contrário de algumas iniciativas semelhantes, no projeto dos italianos escadas e móveis também são feitos em vidro. Com uma técnica que se baseia na sobreposição de múltiplas camadas de vidro, os arquitetos conseguiram garantir ao projeto durabilidade e resistência. Deste modo, existe a possibilidade de criar maiores estruturas utilizando essa matéria-prima em particular.
Os arquitetos atualmente trabalham na construção de dois expoentes do conceito: a Casa nas Colinas e Casa dos Bosques. A Casa nas Colinas será construída na costa oeste da Irlanda, perto de Clifden, e funcionará como uma espécie de showroom para eventos de arquitetura; as obras devem se iniciar em meados de 2010. A Casa dos Bosques está em construção na Suíça, perto de San Moritz; a obra começou no final de 2009 e deve continuar até o meio deste ano. Os líderes do projeto dizem que há compradores interessados em obterem suas próprias casas de vidro.
As casas são resultado de projeto de 2004 da empresa Santambrogiomilano, fundada por Carlo Santombrogio, em que o empresário desenvolvia mesas de vidro junto com o designer Ennio Arosio e uma equipe de mais dez pessoas. O empreendimento é especializado no design e arquitetura que utiliza vidro como matéria-prima.
Fonte: Pequenas Empreas Grades Negócios

quarta-feira, 14 de abril de 2010